APRESENTAÇÃO

COMUNIDADE TERAPÊUTICA D.W.WINNICOTT




O termo Comunidade Terapêutica foi utilizado por Maxwell Jones, a partir de 1959, para definir as experiências desenvolvidas em um hospital psiquiátrico, baseados nos trabalhos de Sullivan, Meninger, Bion e Reichman. Suas experiências eram baseadas na adoção de medidas coletivas, democráticas e participativas dos pacientes tendo como objetivo resgatar processo terapêutico a partir da transformação da dinâmica institucional. A idéia da Comunidade Terapêutica vinculava-se à idéia de tratar os grupos como se fossem um "organismo psicológico". (Jones, 1972)


A Comunidade Terapêutica D.W.Winnicott é uma clínica especializada no atendimento de crianças e adolescentes com problemas psicológicos e/ou psiquiátricos. Fundada em 1983, por um grupo de profissionais de diversas áreas centrados em um referencial psicodinâmico, sob a influência dos estudos realizados por Donald Wood Winnicott, abrangendo o entendimento das relações mãe-bebê, bem como a importância de um ambiente continente, capaz de proporcionar ao indivíduo, condições suficientemente boas pra seu desenvolvimento.


Inicialmente a CTW, oferecia serviços de internação e ambientoterapia. Focalizou-se bastante nos estudos do Autismo, apresentando muitos trabalhos e casos, tanto a nível nacional como internacional. Deu-se ênfase à pesquisa, à investigação, ao desenvolvimento de técnicas para o trabalho com essa patologia, sendo que muitos dessas técnicas ainda são utilizadas.


Atualmente, passados mais de 20 anos, a realidade de atendimento modificou-se, adaptando-se às exigências no nosso meio. Hoje pode-se dizer que, além dos serviços já oferecidos, com exceção do serviço de internação; a Clínica conta com um Centro de Acompanhamento ao Adolescente, com foco em patologias ligadas aos Transtornos de Conduta, Depressão, Psicose, Dependência Química, entre outras. Oferece-se um espaço onde o adolescente encontra serviço personalizado, enfocando suas áreas de dificuldade, viabilizando motivações para mudanças internas e externas, visando complementar o tratamento psicoterápico, também nos casos em que necessitam de um outro espaço terapêutico e que forneça a continência necessária para enfrentar esta etapa do desenvolvimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário